A técnica antiga e a técnica moderna segundo Heidegger (parte 1: Técnica Antiga)

Freqüentei por um tempo a faculdade de filosofia. Os posts a seguir são sobre um tema interessantíssimo, a técnica, podendo ser lida também como tecnologia. As idéias que se seguem são do Heidegger, as palavras são extratos simplificados de uma prova que eu fiz sobre o texto A Questão da Técnica do referido filósofo.

Técnica antiga: Alétheia, poiesis e techné:

Alétheia (verdade) em seu sentido original grego significa revelar-se, desvelar-se. Esse sentido de verdade pressupõe uma liberdade do ser para o ato de se auto-revelar. Nessa concepção, a alétheia é a liberdade do desabrochar dos seres que os deixa tornarem-se o que são, que os deixa se desvelarem através de sua essência que se revela.

Esse deixar o ser se revelar, se abrir, traz à tona o ser tal como é em si mesmo. Esse trazer-à-tona à presença, em ato, é chamado pelos gregos de poiesis, que é uma pro-dução, um surgir e elevar-se por si mesmo, um trazer à tona da coisa que termina com o seu total desvelamento.

Para Heidegger, a techné (técnica) é uma forma de revelação. A techné é um fazer que também é um conhecer que é também um saber.

Um artesão na Grécia Antiga, por exemplo, participa na poiesis de sua cerâmica. Ele se confronta com a realidade que até então é confusa, difusa, porque ainda não se revelou, porque ainda está escondida. Então, o artesão, pelas suas habilidades luta contra a léthe (esquecimento) e cria condições que permite ao ser se desvelar, se dar à alétheia.

Depois desse processo, o ser passa a estar disposto de maneira diferente, pois ele já foi revelado pelo trabalho “poiético” do artista. Na techné antiga, pela sua habilidade o artesão redispõe os vários elementos que já estavam pré-sentes na cerâmica dando lhes um significado novo. Nessa disposição nova emerge, se torna presente, através da poiesis, o trabalho artesanal. Todo juntar-se através da poiesis faz um trabalho novo emergir à pres-ença. E nesse processo todo do trabalho do artesão há uma inter-relação entre ele e a sua massa de trabalho sem uma relação de causa e efeito.

No final das contas, o artesão teve de lutar para não impor algo ao ser, mas para permitir que ele se revelasse “poieticamente”. A técnica antiga é uma forma de trazer à tona que dá forma ao tornar a ser dos seres.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: