Em defesa da contradição

Outro dia eu recebi uma crítica. Uma amiga me disse: “peguei uma contradição no seu blog !!!”. Eu respondi: “Só uma?” Senti-me depreciado, não por ela ter percebido uma contradição, me senti depreciado por ela não ter encontrado ou percebido mais.

Não quero defender o raciocínio que busca a incoerência como um fim. Todo raciocínio deve tentar ser coerente. Acredito que ninguém deve pensar com o objetivo de se contradizer. Não acho bonita a desrazão, ou o máximo falar que a bola é quadrada. Isso tudo é maluquice, não é isso.

Reconheço que do ponto-de-vista prático não se pode cair em contradição. Nos Think Thanks políticos, numa empresa capitalista, numa assembléia, em quase tudo, cada ser pensante é responsável por defenter um interesse, e cada um tem que exercer o seu papel. A pessoa tem que ser coerente para ser confiável perante aos seus pares e também porque a coerência é em prol da defesa de um interesse comum a um grupo e/ou antagônico a outro.

No pensamento jurídico é a mesma coisa. Um juíz tem que respeitar uma norma que já está escrita, que já foi definida. Não há espaço para a contradição, ainda bem que é assim.

E eu já me contradisse. Como é que eu me proponho a escrever um texto defendendo a contradição defendendo a não-contradição? Mas este é exatamente o ponto. Nada na vida é absoluto.

O problema de encarar a contradição como um pecado mortal é que esta postura gera o medo de se contradizer. O problema do medo de se contradizer é que, no final das contas, se você pensar nele, você não faz mais nada.

Penso que pelo fato da imensa maioria das vezes um pensamento nunca ser desinteressado é que vem o compromisso com a coerência. Consequentemente, talvez daí tenha surgido a idéia da contradição como um pecado mortal a ser evitado a todo custo.

Agora, e quando o pensamento é desinteressado, ou melhor, descompromissado? E quando não há o comprometimento com a defesa de um ponto-de-vista? E quando o objetivo é apenas investigar aspectos da realidade em busca de se chegar a um entendimento mais satisfatório dela? É isto o que eu me proponho aqui no blog. Qual seria o problema de se contradizer? Nenhum.

A realidade é complexa. Dentro da idéia que fazemos dela nada está totalmente certo ou errado, porque a própria percepção humana é limitada. Quando a percepção da realidade de um indivíduo se aprimora entrando em negação com a percepção anterior, não só não há problema como é desejável se contradizer.

Dentro desta postura, por exemplo, se eu já falei que o Obama é bonito, me sinto com todo o direito de dizer que ele é feio se um dia eu chegar a esta conclusão. E certamente não vejo motivo nenhum para que o meu texto tenha menos credibilidade por esta mudança de postura. Já que a busca é por um entendimento melhor da realidade. Se uma pessoa vê que está equivocada, ela tem que se manter equivocada em nome da coerência? Claro que não.

Vejo como algo lindo uma contradição honesta. Quando a pessoa pensa e, na melhor das boas intenções, … se contradiz. Nenhuma afirmação deve ter o peso de um compromisso quando seu autor não lhe dá mais valor. Ele tem que abandoná-la. Ainda mais quando ele já possui uma outra afirmação.

Só o imbecil não se contradiz.

5 Respostas to “Em defesa da contradição”

  1. Flavio, este seu post é um perfeito aprofundamento da questão que levantei no meu blog. Vou até fazer um link pro seu texto. Grande abraço!

  2. Excelente reflexão. Buscar a não contradição por si já é uma contradição em um mundo em constante transformação. No dia que eu vi o primeiro computador pessoal tive a certeza de que jamais me sentiria levado a ter um em minha vida. Hoje, nào sei como consegui viver tanto tempo sem um ao meu lado. Mas vejo ainda amigos que escrevem tudo a caneta, vivem da escrita que produzem e, estes sim, podem-se dizer não contraditórios, pelo menos nessa questão. Mas como sofrem para não se contradizer. Flávio, estou com você. E não abro, quer dizer, até que tenha um bom e razoável motivo para tal.

  3. Meu amigo, que bom ler seu texto, além de contraditório ele é reconfortante, pela fluidez e pelo presente no final… fosse essa condição, contrária e excludente para caracaterização da imbecilidade estaria eu agora mais aliviado. Mas pelo menos não sou um imbecil que não se contradiz e isso pra mim jã é regozijo!

    A própria vida é contraditória por essência… enquanto vivos, morremos e morremos até para possibilitar a vida. E enquanto mortos geramos ainda mais vida…

    Paradoxos…para-do-xos

    Fraterno abraço

  4. Meu amigo, vou ter que te contradizer. O imbecil também se contradiz, se não se contradizia até hoje…não sei, mas hoje vi um imbecil se contradizer o que invalida a sua afirmação final ou talvez crie uma contradição.

    Você viu o discurso do Bush defendendo a liberdade de expressão na China? O Bush que regrediu o EUA a era medieval em termos de liberdade de expressão e liberdade civil…

    acho q a partir de hoje é possível que imbecis se contradigam…

    Abraço!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: